Arquivo de Tags preços e comércio

Meu filho de 19 anos, Thomas – pelo qual eu tenho todo o orgulho que um pai pode ter de seu filho – é um astrofísico promissor. Seu interesse profissional reside puramente nas ciências exatas e na matemática. Mesmo assim, seu conhecimento de economia é profundo. (Sim, eu estou contando vantagem. Mas é considerado contar vantagem quando é verdade?) Thomas entende com naturalidade a inevitabilidade dos trade-offs, ele compreende que não existe tal coisa como almoço grátis (ou qualquer coisa grátis), ele entende , ele é realista o suficiente para entender que para cada incentivo perverso que existe no setor privado, existem 1.001 incentivos perversos no setor público, e Thomas…

Eu já argumentei anteriormente que direitos de propriedade privada são um componente vital de qualquer programa pró meio ambiente. Curiosamente, o Washington Post meio que concorda. Ao menos no que diz respeito às áreas de pesca. Em um editorial recente, reconheceu que o modelo coletivista atual não funciona. As áreas de pesca do mundo, que alimentam bilhões de pessoas, estão em profundo declínio. Os autores de um estudo publicado na segunda-feira no Proceedings of the National Academy of Sciences examinou 4.713 áreas de pesca, contabilizando 78% da pesca anual no mundo, e descobriu que apenas um terço delas estava em condições biológicas decentes. O editorial então aponta para o fato…

Na próxima vez que sair as compras, dê uma bisbilhotada na conversa entre o balconista e o cliente que estão à sua frente. Você provavelmente irá escutar o balconista dizer algo como “Obrigado por comprar na Acme” enquanto repassa o troco e os recibos. E os clientes? Frequentemente irão responder com outro “obrigado”. Não com um “de nada”, ou até mesmo “sem problemas”, mas com outro “obrigado”. Para ouvir “de nada” em um espaço público, ouça o diálogo quando um cadeirante está tentando abrir a porta e outra pessoa se oferece para segurá-la aberta. Estou confinado a uma cadeira de rodas pelos últimos três anos, e posso lhe garantir que…

Um galão de leite: US$ 7,59. Revoltante! Isso é o dobro do que gastei na cidade um dia antes. Um galãozinho de leite, e eu teria que pedir falência. Quem quer que seja o responsável é um explorador imundo. Mas eu não tinha escolha; as batatas já estavam cozinhando. Peguei o leite, caminhei fritando de raiva até o caixa, e joguei o dinheiro no balcão. Sabe como é, meu irmão estava fazendo a refeição familiar: presunto, legumes e purê de batata. Ele já tinha começado. As batatas estavam descascadas, cortadas e cozinhando no forno. Minha tarefa era trazer o leite – não dá para amassar a batata direito sem leite.…

Na primeira vez em que viram a variedade exibida em nossos supermercados, os emigrantes ou ficaram sem reação com a quantidade de escolhas à sua frente, ou encheram seus carrinhos selvagemente, pois acreditavam que as prateleiras estariam vazias no dia seguinte. Isso foi nos anos 80, quando uma onda de expatriados fugiu da União Soviética para os Estados Unidos. Muitos deles tiveram famílias hospedeiras para ajudá-los a se adaptar à vida americana, e foi de alguns dos hospedeiros que eu ouvi sobre esses primeiros encontros com a abundância comercial da América. Esses emigrantes somente podiam entender o que viam dentro do contexto de suas crenças da época no planejamento central.…

Se você quiser ter negócio na Venezuela, você terá de deixar o governo fazer sua contabilidade para certificar-se de que você não está ganhando demais. O decreto do presidente venezuelano Nicolás Maduro, chamado de "Lei Orgânica do Preço Justo", estabelece um lucro máximo "justo" de 30% dos custos. Além das dificuldades práticas em se implementar esse medida, o teto assenta-se sobre um mal-entendido elementar: a ideia de que existe algo como lucro "justo" ou "excessivo" ignora a função dos lucros -- e prejuízos -- em uma economia de mercado. Lamentar que um capitalista esteja tendo lucro muito alto é como reclamar de um cirurgião por salvar muitas vidas. O Teste…

Close
MENUMENU