Arquivo de Assuntos Conceitos Econômicos

Eu costumo assistir ao programa de John Oliver Last Week Tonight porque é engraçado e informativo ao mesmo tempo. Seu último episódio sobre consolidação corporativa não foi, infelizmente, um dos melhores. Neste episódio, Oliver fala sobre como certos setores estão sendo dominados por um punhado de empresas e como isso é ruim para os consumidores. Ele se concentra particularmente nas empresas aéreas e de telecomunicações. Até aí, tudo bem. Todos concordam que a falta de concorrência no mercado é ruim. Oliver então culpa a falta de regulamentação e exige a aplicação mais agressiva das leis antitruste. Capitalismo, não estou certo? Isso me lembrou uma das minhas citações prediletas de Mises:…

Sexy and the City 3 pode ter acabado, mas a febre por lindas roupas que a franquia da HBO exibiu, não. Assim como a (anti-) heroína Carrie Bradshaw demonstra tendo Manolo Blahniks e Prada, eu aprecio um closet ilimitado e rotativo de roupas de grife e acessórios. Mas diferentemente da Carrie, eu não possuo nenhum destes itens – eu pago por uma “assinatura ilimitada” do Rent the Runway, que permite que eu alugue quaisquer quatro itens por vez. Viva la revolución fashion Rent the Runway é parte da economia compartilhada, que permite que organizações e indivíduos compartilhem ativos físicos subutilizados como serviços. Neste caso, os ativos subutilizados são maravilhosas roupas…

Meu colega Gordon Tullock é conhecido, com justiça, por seu importante papel no estabelecimento de bolsas de estudos sob a perspectiva da teoria econômica da "Escolha Pública". Mas se você pedir aos economistas que citem, especificamente, a contribuição teórica pela a qual Gordon é mais conhecido, a maioria provavelmente afirmaria que é o rent-seeking. Embora jamais tenha cunhado esse termo — que foi introduzido neste artigo de 1974 por Anne Krueger, Gordon apresentou o seu conceito no artigo "The Welfare Costs of Tariffs, Monopolies and Theft", publicado em 1967 no Western Economic Journal. A ideia é tão brilhante e importante quanto simples. E, como tantos conceitos importantes, é óbvia quando…

Pronuncia-se "lá-sê-fér". As origens francesas do termo datam do final da Renascença. Diz a lenda que foi usado pela primeira vez no ano de 1680, época em que o Estado-nação estava em ascensão em toda a Europa. O Ministro das Finanças francês, Jean-Baptiste Colbert, perguntou a um comerciante chamado M. Le Gendre o que o Estado poderia fazer para promover a indústria. De acordo com a lenda, a resposta foi: "Laissez-nous faire", ou "deixe ser". Este incidente foi relatado em 1751 no Journal Oeconomique pelo renomado defensor do livre comércio Rene de Voyer, o Marquês d'Argenson. O slogan foi codificado, finalmente, nas palavras de Vincent de Gournay: "Laissez-faire et laissez-passer,…

Diferentes povos e culturas ao longo da história humana tiveram diferentes percepções sobre a moralidade do lucro. A professora Deirdre McCloskey merece especial destaque no estudo de como nos séculos XVII e XVIII as pessoas em alguns países da Europa passaram a ver empreendedores e inventores como ocupações moralmente honradas, e como essa nova percepção desencadeou uma extraordinária evolução nas condições de vida da população nesses países e, mais tarde, no mundo. Não obstante, a busca do lucro é sempre apontada como um dos causadores dos males da sociedade. Diante desse paradoxo, é natural nos perguntarmos, em primeiro lugar, o que é exatamente o lucro? E depois, a partir daí,…

No início deste ano foi publicada uma análise chamada “O acúmulo de riqueza na prática”. Este estudo levou em consideração os dados de 2014, e nele foi evidenciado que o acumulo de riqueza no Brasil estava caindo. Ao atualizá-lo com dados de 2015 observa-se que a tendência continua. Lembrando que o relatório fonte dos dados utiliza informações do meio do ano como base, divulgado anualmente em outubro. Recordando algumas afirmações do artigo anterior: O momento de empolgação que o Brasil se encontrava de 2004 a 2011 esfriou. No decorrer dos anos 2000 as condições para acumular riqueza começaram a ser restringidas, a situação do Brasil iniciou a sua piora e…

Muitas das discussões sobre políticas econômicas simplesmente ignoram de onde vêm os recursos de que as pessoas precisam. Como disse recentemente Gustavo Franco sobre a situação na Argentina, algumas pessoas pensam que o leite vem da geladeira. Distribuição é confundida com produção, e pouco se busca entender a relação entre quaisquer das variáveis citadas no título. Meu objetivo com esse artigo é oferecer um piso mais sólido em cima do qual essas discussões possam ser construídas. Comecemos com a produção: produzir (em economia) é o ato de criar um bem ou serviço. Quando um confeiteiro está misturando os ingredientes de seu bolo, ele está produzindo um bolo. Antes de começar,…

Uma das explicações mais famosas descritas por Bastiat é a falácia da janela quebrada.  Bastiat não era somente um excelente economista, era também um exímio contador de estórias.  O argumento cita o filho de um carpinteiro, Jacques Bonhomme, que, ao jogar bola, quebra uma janela.  O carpinteiro então, teria que contratar os serviços do vidraceiro e comprar o vidro.  O vidraceiro, por sua vez, fica contente na mesma proporção da fúria de Jacques Bonhomme.  Ele compra seu jornal, leite, sustenta a sua família.  O jornaleiro, o leiteiro, o padeiro, todos fazem o mesmo.  A economia gira em função da janela que se quebrou.  O que seria então, do vidraceiro se…

Close
MENUMENU