Início Mercado de trabalhoRegulação trabalhista A economia compartilhada é uma rede de segurança do livre mercado

A economia compartilhada é uma rede de segurança do livre mercado

por Brittany Hunter

Quando entrei no meu Uber outro dia, elogiei minha motorista por seu cabelo estiloso. No decorrer da nossa conversa, eu soube que ela era cabeleireira, mas atualmente está sem trabalho. Ela estava esperando sair do mundo dos salões para o atendimento em domicílio.

Mas enquanto ela estava planejando seu plano de ação, as caronas compartilhadas estava fornecendo um trabalho temporário onde ela era capaz de ganhar dinheiro. A economia compartilhada tem sido uma das criações de mercado mais inovadoras em nosso tempo moderno, embora seu conceito seja bastante simples.

Se você possui um carro, você pode ganhar dinheiro como motorista. Se você tem um apartamento ou casa, pode ganhar dinheiro alugando o espaço.

Economia compartilhada é realmente simples. Se você tem uma propriedade ou habilidade que é demandada por outro consumidor, você tem a capacidade de ganhar dinheiro.

E para aqueles que estão entre empregos ou tentando imaginar qual será seu proximo passo para o emprego, a economia compartilhada pode ser um salva-vidas.

Fornecendo um colchão1

Desemprego: em muitos casos a única alternativa ao trabalho temporário da economia compartilhada.

Esta história está longe de ser uma instância isolada. Quando eu morava em Washington, DC, uma vez tive o prazer de andar com uma motorista que estava sem trabalho enquanto ela estava se recuperando de uma cirurgia. Se tratava de uma pequena cirurgia, o que permitia que ela continuasse dirigindo. E mesmo que seu emprego estivesse esperando até ela ficar curada, ela já havia gasto toda sua remuneração do afastamento, e não estava ganhando dinheiro durante o processo de recuperação.

Mas, graças ao Uber, minha motorista não precisou se preocupar com a renda nem com o pedido de incapacidade de curto prazo ou outros programas de assistência social enquanto esperava para voltar ao trabalho. Ela estava ganhando dinheiro enquanto evitava o desconforto de estar presa dentro de sua casa no período em que se recuperava.

Outro motorista com quem eu andei em Washington havia se mudado recentemente para os Estados Unidos vindo do Oriente Médio e estava tentando começar seu próprio negócio de refeições. Não só o Uber permitiu que ele pagasse suas contas enquanto ele estava iniciando seus negócios, mas também o ajudou em sua rede de contatos.

Cada um de seus passageiros recebeu um cartão de visita e uma refeição como “amostra grátis” que ele entregaria pessoalmente. A mesma coisa aconteceu com a cabeleireira.

Trocamos telefone e nós duas nos beneficiamos: eu encontrei uma nova cabeleireira e ela ganhou uma nova cliente. Eu poderia contar dezenas dessas histórias, como tenho certeza que muitos de vocês também poderiam.

O sistema de caronas ajudou todos esses motoristas a garantir o bem-estar deles e até ajudou alguns deles a construir seus negócios. Mas o sistema de caronas é apenas um pequeno setor na economia compartilhada como um todo.

Um dos componentes mais estressantes do desemprego repentino é a preocupação de que o aluguel não seja pago. Mas o setor de compartilhamento de casas também forneceu uma solução.

Contanto que você tenha um amigo disposto a deixá-lo dormir no sofá, ou talvez família que more perto, há maneiras de alugar sua casa para pagar as contas. Mas a economia compartilhada não se limita à propriedade.

Há muitos que se encontram desempregados sem um carro ou um espaço habitável, mas podem ter uma habilidade. Aplicativos para smartphones como o TaskRabbit permitem que os usuários vendam seu próprio trabalho.

Se você possui os músculos necessários para carregar caixas o dia todo, você pode se tornar um transportador. Se você sabe cortar a grama, você pode encontrar alguém que precisa aparar a grama do quintal.

As possibilidades são quase ilimitadas. E embora estas não sejam as tarefas mais fascinantes, continuar a trabalhar e trabalhar durante os períodos de desemprego pode ter um impacto psicológico positivo.

Para aqueles que estão no mundo da beleza ou do bem-estar, há também aplicativos que conectam especialistas em cosméticos e cabelereiros aos clientes, algo que eu me certifiquei de dizer à minha motorista do Uber.

Bem-estar mental

O trabalho não é uma construção inventada pelos capitalistas do mal para reduzir os indivíduos à sua produtividade e seu trabalho. É uma fonte de orgulho e auto-estima.

Se você está escrevendo o próximo grande romance americano, operando equipamentos em uma fábrica, ou construindo um hambúrguer em um restaurante de fast food, há um certo sentimento de orgulho que é obtido com um trabalho bem feito. Enquanto minha nova cabelereira dirigia seu Uber, ela educadamente interrompeu nossa conversa para me oferecer uma água e um lanche.

Estou acostumada com motoristas do Uber me oferecendo água, mas o lanche era algo novo. Por que esse pequeno detalhe é importante? Porque havia um sentimento de orgulho em sua voz.

Ela pode não estar fazendo o que esperava com sua carreira, pelo menos não ainda, mas permanecer na força de trabalho por meio da economia compartilhada fez mais do que apenas gerar renda: preservou sua dignidade. Ela queria fazer o melhor trabalho possível porque se orgulhava de seu trabalho.

Quando essa oportunidade diária de se orgulhar em criar é removida porque uma pessoa está desempregada, especialmente por longos períodos de tempo, há impactos psicológicos que se estendem muito além do estresse causado por problemas financeiros. De fato, depressão e desemprego são uma dupla assustadora.

A falta de interações sociais pode causar estragos na psique. Quando você está isolado das pessoas, sem um apoio para desabafar os problemas da vida ou receber feedback, você é deixado com seus próprios pensamentos.

Em tempos de provações, como o desemprego, isso permite que os piores pensamentos venham à mente. Muitos até começam a duvidar de suas habilidades, o que os envia para uma espiral de depressão, fazendo o trabalho de caçar um emprego cada vez mais difícil.

Ninguém quer ir para uma entrevista quando não está se sentindo mentalmente bem. Mas a economia compartilhada está apresentando sua própria rede de segurança contra o ciclo vicioso do desemprego.

O Uber e as caronas compartilhadas em geral são uma ótima maneira de socializar com outros humanos, mas também podem ser benéficos para se preparar para uma entrevista. Uma vez que você é capaz de dominar a arte da conversação sem o nervosismo que frequentemente a acompanha, você adquiriu uma habilidade que pode ajudá-lo durante o processo de entrevistas.

Soluções realistas

A economia compartilhada é a solução perfeita para o problema do desemprego? Com certeza, não.

Mas o nosso atual sistema de amparo ao desempregado também não é. O que ela oferece é uma abordagem realista do problema.

Assim como há ciclos de altos e baixos nos negócios, esses ciclos também existem na vida. Um momento você está no topo do mundo, e no próximo você pode encontrar-se desempregado com uma hipoteca e uma família para sustentar.

Nosso atual sistema de amparo ao desempregado vem com procedimentos formais, condições e muita burocracia. E é preciso passar por tudo isso antes mesmo de receber o primeiro cheque como desempregado.

Mas enquanto o governo permitir a existência da economia compartilhada, o mercado pode continuar oferecendo oportunidades de emprego quase instantâneas para quem procura trabalho.


Esse artigo foi originalmente publicado como The Sharing Economy Is a Free Market Safety Net para o Foundation for Economic Education.

Veja também

Deixe um comentário