O dia do trabalho, de acordo com o Departamento de Trabalho 1 , é “dedicado às conquistas sociais e econômicas dos trabalhadores americanos” e como um “tributo nacional às contribuições que os trabalhadores deram para a força, a prosperidade e o bem-estar de nosso país”.

Mesmo verdade, há um considerável componente ausente neste tributo: o capital.

Mostre-me um profissional trabalhando sem nenhuma contribuição do capital, e eu lhe mostrarei primitivos pelados se alimentando de frutas e animais mortos. Todo o progresso no padrão de vida é construído sobre uma base de ambos trabalho e consumo postergado (criação de capital) que permite a criação de instrumentos que multiplicam o esforço laboral.

Consciência do capital

Feriados deveriam ser utilizados para lembrar a população daquilo que normalmente escapa à percepção pública. É exatamente por isso que precisamos de um “dia do capital”. Embora o capital nos rodeie, ele é frequentemente ignorado, como o ar que respiramos — e como o ar, nossa sociedade estaria acabada sem ele.

O fato de que a maioria de vocês esteja agora provavelmente coçando suas cabeças e se perguntando qual seria o papel desempenhado pelo capital é mais uma razão para haver tal feriado. Sim, os trabalhadores realizam o trabalho necessário para estimular o motor do comércio, mas eles não fazem isso em um vácuo. Quem paga pelo prédio em que eles trabalham? Os equipamentos e ferramentas que eles usam? Seus salários? Ninguém faz estas perguntas. Se supõe de alguma forma que sejam recursos exógenos, simplesmente à espera de serem utilizados pelos heroicos trabalhadores.

Não, eles não são um maná dos deuses. Os capitalistas os disponibilizam postergando consumo, e assim poupando recursos. Essa poupança (capital) permite que eles paguem outras pessoas para produzir os meios necessários para melhorar a capacidade e eficiência do trabalhador na execução de suas tarefas.

O capital empodera o trabalho

O operador produz muitos carros por dia utilizando ferramentas, o operário movimenta toneladas de mercadorias com uma empilhadeira, o trabalhador de escritório executa milhões de operações por dia com seu computador, e assim por diante.

E ao executar estas tarefas, os trabalhadores são pagos muito antes das receitas geradas pelo seu trabalho retornarem para o capitalista – pagar alguém por seu serviço com tanta antecipação à receita gerada por essa atividade requer que dinheiro (capital) seja poupado e esteja disponível. Sem capital, todo trabalhador recém-contratado precisaria esperar semanas ou meses antes de receber seu primeiro pagamento.

O capitalista de mercado (em oposição ao capitalista de laços que se associa com o governo em busca de obter vantagem) toma riscos. Para cada sucesso, outras dezenas fracassam e perdem tudo.

Capitalistas não são gatos gordos vivendo do suor do trabalhador – não, eles desempenham um papel importante e vital, tal qual o trabalhador. Eles fornecem e coordenam os recursos necessários para os trabalhadores de fato executarem suas tarefas. É uma parceria, mas uma em que uma parte é prestigiada e a outra é, na melhor das hipóteses, ignorada; ou na pior, insultada.

Não vamos nos esquecer da importância de ambos. Essa é para o dia do capital!


Esse artigo foi originalmente publicado como Why We Need a Capital Day para o Foundation for Economic Education .


Notas:

  1. O autor se refere ao Department of Labor , equivalente americano ao nosso Ministério do Trabalho. (N. do E.)

Sobre o Autor

Greg Morin é CEO dos Laboratórios Seachem, que produz equipamentos e químicos usados na manutenção de aquários de água doce ou salgada. Ele possui PhD em química pela Universidade de Notre Dame e mantém seu blog pessoal gregmorin.com.

1 Comment

  1. Bom, talvez isso funcionasse em países desenvolvidos, mais em países em desenvolvimento, isso é ridículo, as empresas não estão ligando para o trabalhador, pagam baixos salários e não dão equipamentos de segurança suficientes em algumas profissões para cortar custos. Mas sim, sem capitalistas não haveria empregos, renda nem consumo, porém, um dia do Capital, um feriado, no Brasil, que tem diversos feriados de santos, situação que é péssima e contraditória do ponto de vista cultural e da produção, seria no mínimo, insensatez.

Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Close