facebook_pixel

Uma crença que ressalto repetidas vezes é que estamos em guerra – não uma guerra física, com troca de tiros, mas uma guerra capaz de se tornar tão destrutiva e custosa quanto.

A batalha pela preservação e avanço da liberdade não é uma batalha contra personalidades, mas contra ideias opostas. O autor francês Victor Hugo declarou que “pode-se resistir à invasão de exércitos, não à invasão de ideias”. Essa declaração é frequentemente reproduzida como “nada é mais poderoso do que uma ideia cujo tempo chegou”.

Ideias tiveram consequências tremendas. Elas determinaram o curso da história.

O feudalismo existiu por mil anos em grande parte porque eruditos, professores, intelectuais, educadores, clérigos, e políticos propagaram ideias feudalistas. A ideia “ uma vez servo, servo para sempre ” conteve milhões de pessoas de ao menos questionar o seu posto na sociedade.

Sob o mercantilismo , o conceito amplamente aceito de que a riqueza do mundo fosse fixa instigou os homens a tomar o que queriam dos outros em uma longa série de guerras sangrentas.

Adam Smith (1723-1790) é considerado um dos grandes teóricos do liberalismo econômico
Adam Smith (1723-1790) é considerado um dos grandes teóricos do liberalismo econômico.

A publicação de “ A riqueza das nações ” por Adam Smith em 1776 é um marco na história do poder das ideias. Com a propagação do discurso de livre-comércio de Smith, barreiras políticas de cooperação pacífica entraram em colapso, e virtualmente todo o mundo decidiu tentar a liberdade pela mudança.

Marx e marxistas nos teriam feito acreditar que o socialismo é inevitável, que irá abraçar o mundo tão certamente como o sol irá nascer ao leste amanhã. Enquanto os homens tiverem livre arbítrio (o poder de escolher o certo ao errado), no entanto, nada que envolva violação humana pode ser inevitável. Se o socialismo vier, será porque os homens escolheram abraçar seus princípios.

O socialismo é um fracasso antigo, mas o ideal socialista ainda constitui a principal ameaça à liberdade atualmente. Como eu vejo, o socialismo pode ser quebrado em cinco ideias.

1. A síndrome do “aprove uma lei”

Aprovar leis se tornou um passatempo nacional. Negócio em apuros? Aprove uma lei para dar-lhe subsídio público ou reduzir a liberdade de ação. Pobreza? Passe uma lei para sua abolição. Talvez o país precise de uma lei contra a aprovação de mais leis.

Quase invariavelmente, uma nova lei significa: (a) mais impostos para financiar a sua administração, (b) oficiais adicionais do governo para regular algum aspecto ainda não regulado da vida e (c) penalidades por violar a lei. Resumindo, mais leis significa maior arregimentação, mais coerção. Não deixemos que exista dúvida sobre o significado de coerção: força, pressão, imposição, opressão. Os sinônimos da forma verbal são ainda mais instrutivos: violentar, impor, refrear, compelir, reprimir, constranger, forçar, obrigar.

Quando o governo intervém na economia livre, burocratas e políticos gastam a maior parte do seu tempo desfazendo seu próprio trabalho. Para reparar o dano da medida A, eles aprovam a medida B. Então eles notam que para reparar a medida B, eles precisam da medida C, e para desfazer a C, eles precisam da D. E assim por diante até que o nosso alfabeto e a nossa liberdade estejam exauridos.

A síndrome do “aprove uma lei” é a evidência de uma fé mal colocada no processo político e de uma confiança na força, que são anátemas de uma sociedade livre.

2. A fantasia do “ganhe algo do Estado”

citação bastiat

O Estado, por definição, não tem nada para redistribuir, exceto por aquilo que é inicialmente tirado das pessoas. Impostos não são doações.

No Estado de bem-estar social, esse fato básico fica perdido na correria por favores especiais e brindes. As pessoas falam do dinheiro do Estado como se fosse verdadeiramente grátis.

Uma pessoa que está pensando em aceitar algo do Estado que ele não conseguiria adquirir de alguém voluntariamente deveria se perguntar: “De qual bolso isso está vindo? Eu estou sendo roubado para pagar por esse benefício, ou o governo está roubando alguém a meu favor?” Frequentemente, a resposta será: ambos.

O resultado dessa fantasia é que todos na sociedade estão com as mãos no bolso de outra pessoa.

3. A psicose de “empurrar para o outro”

Recentemente, uma receptora de benefícios escreveu para o escritório de bem-estar social e exigiu: “Essa é a minha sexta criança. O que vocês vão fazer sobre isso?”

O indivíduo é vítima da psicose de empurrar para o outro quando ele se isenta de solucionar os próprios problemas. Ele pode dizer: “Os meus problemas não são realmente meus, eles são da sociedade. E se a sociedade não revolvê-los, e resolvê-los rapidamente, vai ter encrenca!”

O socialismo cresce na evasão da responsabilidade. Quando os homens perdem seu espírito de independência e iniciativa, a confiança neles mesmos, eles se tornam argila nas mãos de tiranos e déspotas.

4. A aflição do “sabe tudo”

Leonard Read , em “ O livre mercado e seus inimigos ”, identificou o “sabe tudo” como a característica central da ideia socialista. O sabe tudo é um intrometido nos assuntos dos outros. Sua atitude pode ser expressa dessa forma: “Eu sei o que é melhor para você, mas eu não estou contente em meramente convencê-lo da minha certeza. Eu prefiro forçá-lo a adotar os meus caminhos.” O sabe tudo deixa evidente sua arrogância e sua intolerância para a grande diversidade entre as pessoas.

No governo, o refrão do sabe tudo soa assim: “Se eu não pensei nisso, não pode ser feito. E como não pode ser feito, nós devemos prevenir qualquer um de tentar.” Certa vez, um grupo de empresários da costa oeste esbarrou nesse empecilho quando a sua requisição para operar serviços de barca entre o noroeste pacífico e o sul da Califórnia foi negada pela (hoje extinta) Comissão de Comércio Interestadual porque a agência achou que o grupo não conseguiria operar tal serviço lucrativamente.

O milagre do mercado é que quando os indivíduos são livres para experimentar, eles podem conquistar grandes feitos. O famoso alerta de Read de que “não deveriam existir restrições inventadas pelo homem contra a liberação de energia criativa” é uma rejeição poderosa da aflição do sabe tudo.

5. A obsessão pela inveja

inveja

A cobiça da riqueza e da renda dos outros aumentou consideravelmente nossa legislação socialista de hoje. Inveja é o combustível que move o motor da redistribuição. Com certeza, os esquemas de tributação dos ricos estão enraizados em inveja e cobiça.

O que acontece quando as pessoas estão obcecadas pela inveja? Elas culpam os que estão em melhor condição pelos seus problemas. A sociedade é quebrada em classes, e facções tentam enganar outras facções. Civilizações ficaram conhecidas por ruir sob o peso da inveja e do desrespeito à propriedade que ela implica.

Um pensamento em comum

Um pensamento em comum passa por todas essas ideias socialistas. Todas elas apelam para o lado sombrio do homem: o primitivo, não criativo, preguiçoso, dependente, desmoralizante, improdutivo, e destrutivo lado da natureza humana. Nenhuma sociedade pode durar muito se seus participantes praticarem tais noções suicidas.

Considere a filosofia da liberdade. É uma filosofia animadora, regenerativa, motivacional, criativa e excitante. Ela apela e depende das melhores qualidades da natureza humana, tais como confiança própria, responsabilidade pessoal, iniciativa individual, respeito por propriedade e cooperação voluntária.

O resultado da luta entre liberdade e servidão depende inteiramente do que corre nos corações e mentes dos homens. O júri ainda está deliberando.


Esse artigo foi originalmente publicado como 5 Ideas at the Heart of Socialism para o Foundation for Economic Education .

Sobre o Autor

Lawrence W. Reed tornou-se presidente do FEE em 2008 depois de ser membro de seu conselho durante os anos 1990s e escrever e palestrar para o FEE desde o final da década de 1970.

5 Comments

  1. Vc esqueceu de falar da tributação dos pobres, que é maior que a dos ricos. Quase tirou dez.

  2. Li com meu tradicional olhar crítico e gostei

  3. João Luiz Pereira Tavares - Responder

    == Amansou muito e é uma MAGNÍFICA vista! ==

    Ou:
    «Carne com Chilli» [uma carne com pimenta: comida sucosa]

    UMA PIMENTINHA sempre é muito SABOROSA! Quando não é muito DELICIOSA!

    Imagina uma carne, bem SUCULENTA!, com uma PIMENTINHA inteira, vermelhinha! Vermelhinha!
    Que delícia. É agradável ao paladar e causa prazer. É GOSTOSO.

    Quem não gosta de uma pimentinha ou é MARICAS ou é AFRESCALHADO.

    Assim sendo, um sprayzinho de pimenta é sempre bom também…

    Veja:
    A pessoa nem consegue falar… Fica de boca aberta, meio babando saliva; meio desmaiada. Às vezes, a pessoa tem que ser carregada pelas pernas e braços.

    É excitante! A pessoa entra em TRANSE. É uma beleza mesmo. Relaxa e acalma. A sensação é bem melhor que chá ayahuasca. Nada como um sprayzinho de pimenta! De graça!, borrifado pela polícia.

    FIQUEI OLHANDO o Spray subindo no ar da cidade… Que fumacinha magnífica! Aquele gás embranquecido chega a escurecer a luz do sol.

    PETISTA adora MACONHA… Mas o spray de pimenta também é bom, é lógico. Apazigua e tranqüiliza. Todos petistas ficaram calminho, calminho!, quando a polícia aspergiu as bombinhas. O Centro acalmou loguinho, loguinho. Bendita polícia!

    Reparem que as pessoas já saem de VERMELHO não é à toa, em busca desse remédio maravilhoso, nas ruas. Tudo ao ar-livre.

    Vermelho é a cor da pimenta.

    Os petistas, eles já vão alargando as narinas, como porcos. Vão cada vez mais se aproximando, devagarinho, do esquadrão militar, — fissurados para dar uma cheiradinha nas bombinhas de gás pimenta. É aquela ânsia.

    Spray de pimenta acalma, amansa, relaxa. Uma beleza, mesmo. É bem melhor que o chazinho da VOVÓ.
    Amansou muito o Centro daqui.

    É UMA MAGNÍFICA vista ver o spray de pimenta subindo aos ares, em uma SUBLIME fumaça branca, toda vez que vou ao centro. Acalma tanto! Logo após vem aquela calmaria, e o trânsito flui. É uma beleza.

    Que momento gostoso, delicioso e saboroso.

  4. Agora está bom grita fora PT e aposenta com 90 anos vai trocar uma roda de caminhão com 90 anos ou subir uma escada para pintar um prédio! !!!!!

Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Close