facebook_pixel

Por que educação econômica importa?

Não é preciso olhar além da crise econômica na Venezuela, onde o Washington Post reporta que a falta de comida está tão dramática que as pessoas estão atacando caminhões de comida que estão fazendo entregas.

Tudo começou quando Hugo Chávez e seu sucessor, Nicolás Maduro , tentaram formular políticas públicas ignorando economia. No início, parecia funcionar: reservas enormes de petróleo ao longo de diversos anos de preços muito altos esconderam a balbúrdia institucional por trás do sonho populista.

Mas agora, com o colapso no preço do petróleo, nos resta encarar a realidade: um governo não consegue controlar preços e imprimir dinheiro sem criar inflação, falta de produtos e – como estamos vendo agora – caos.

Tentando disfarçar o desastre: inflação

O governo venezuelano vem imprimindo dinheiro como resposta à inabilidade em pagar suas dívidas. Isso criou inflação de três dígitos. Milton Friedman e outros recorrentemente disseram que “a inflação é o imposto mais cruel”, e de fato o governo venezuelano está efetivamente confiscando qualquer riqueza que os venezuelanos ainda tenham ao depreciar o valor de sua moeda.

Tentando o impossível: controle de preços

Para deter os efeitos da inflação sem parar de imprimir dinheiro , o governo venezuelano também tem tentado controlar os preços de diversos bens enquanto ainda regula o que o cidadão comum pode importar. Nesse caso, o governo tem mantido os preços abaixo do valor de mercado, e isso tem criado escassez. Faz sentido: a quantidade de coisas que as pessoas querem comprar ao preço artificialmente baixo será maior do que a quantidade de coisas que as pessoas desejam vender. Como o CapX explicou no ano passado :

Essa é a realidade de fixação de preços e controle de moeda. Se o preço de peças de motocicletas for determinado pelo governo, e importações são rigorosamente reguladas, os vendedores não têm opção quando a demanda sobe – eles não conseguem aumentar sua oferta, e também não podem colocar o preço no nível correto. Na melhor das hipóteses, isso leva a filas nas ruas. Na pior, à morte de motociclistas.

As consequências de se esconder da realidade

Aproximadamente um milhão de pessoas foram as ruas da Venezuela pedir por melhorias (02/09/2016) Crédito: Donaldo Barros
Aproximadamente um milhão de pessoas foram as ruas na Venezuela para fazer reivindicações (02/09/16). Crédito: Donaldo Barros

E de fato, agora vemos longas filas de pessoas cada vez mais desesperadas… e protestos quando esse desespero entra em crise. Frequentemente, como vemos na Venezuela, oficiais do governo culpam a ganância e conspiração pela escassez, quando deveriam estar olhando no espelho.

Esse desastre em curso é um trágico lembrete de que ideias têm consequências. Nesse caso, temos um lugar na primeira fila para assistir ao sofrimento de seres humanos de carne e osso como eu e você, que estão vivos, respirando, têm desejos e sonhos e famílias que amam e que os amam.

Um dos momentos mais tristes dessa tragédia é quando percebemos que sabemos bem como isso poderia ter sido evitado.


Esse artigo foi originalmente publicado como The Consequences of Ignoring Economics in Public Policy para o Learn Liberty . Créditos da imagem principal: Carlos Diaz via Flikr .

Sobre o Autor

Art Carden é professor associado da Sam Ford University em Birmingham, Alabama. Adicionalmente, ele é contribuinte sênior de pesquisa para o Institute for Faith, Work, and Economics, contribuinte de pesquisa para o Independent Institute, contribuinte sênior para o Beacon Center of Tennessee e membro da faculdade adjunta do Ludwig von Mises Institute.

Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Close